3 Pontos




Foi a única coisa que valeu no Hungria-Portugal, aliado ao empate da Dinamarca que força uma obtenção de pontos contra a Suécia para assegurar o 1º lugar na qualificação.

Dentro de campo ? Até o Sporting já jogou melhor esta epoca. Meio-campo não existente, remates á figura, Liedson seco... miserável.

Fonte da Imagem: IOL Diário

11 comentários:

reddevil disse...

1º Muito se criticam as naturalizações mas a verdade é que foram elas que nos deram 4 pontos em dois jogos.

2º Uma exibição mais pobre que no último jogo mas desta vez os 3 pontos foram amealhados. Prefiro assim.

3º Há alguma lei, que eu desconheça, que diga que Ronaldo tenha de jogar os 90 minutos?

4º Não sei o que fizemos à Uefa mas começa a ser um exagero as arbitragens que calham as equipas lusas na Europa. Seja a nível de selecções como de clubes.

5º Se a Tvi faz tanta questão em transmitir os jogos nacionais que mude o painel de comentadores. Por favor! Ele é a menina da Roca, ele é o plano A com agrafos, ele é palavras que não existem. Não há pachorra.

Antonio disse...

Reddevil, eu sou daqueles que critica e é contra as Naturalizações. Admito até que qualquer golo de Deco, Pepe ou Liedson me fará esboçar um sorriso, e muito menos um grito de alegria.

Mas atenção. Não sou contra as naturalizações por achar que Pepe, Deco ou Liedson são maus jogadores. Longe disso. Não ponho em causa o seu profissionalismo ou vontade de vencer. Considero até que são bem melhores que muitos Portugueses que são seleccionados... E até admito que para a posição que ocupam, Portugal não tem soluções à altura. A questão não é essa...

Eu sou contra as naturalizações porque o meu conceito de "viver a selecção" não é um conceito de "vir ver vencer a selecção". Para mim a selecção é bem mais do que uma vitória ou uma derrota.

Tinha orgulho em ver Portugal como uma equipa de Portugueses, que sentiam Portugal como nós, a fazerem a vida negra aos gigantes da Europa. Eramos respeitados por isso.

O que acham que sente um jogador naturalizado quando Portugal perde? Acham que vive a selecção como um Português dos 7 costados?
Vocês imaginam um Pepe, um Liedson ou um Deco a emocionarem-se com o Hino nacional? Eu emociono-me sempre!

Porque se naturalizou o Deco? Acham que ele quis representar a selecção pela sua paixão pelas quinas? Ele foi o primeiro a admitir que aceitou jogar pela selecção para seu próprio beneficio!
Não era suposto, quando um jogador é chamado à selecção sentir orgulho e alegria por representar um País? Não é suposto saber o que é Portugal?

Os naturalizados que hoje representam a selecção, de Portugal conhecem pouco mais que "putas, vinho verde, a noite, o bacalhau, e alguns restaurantes chiques".

Aposto que nenhum deles sabe quem foi o Dom Afonso Henriques! APOSTO!

Volto a citar a Dulce Pontes: nesses jogadores, "Onde está o Amor a Portugal?"

Pode ser uma opinião extremista e demasiadamente patriota, mas é a minha, e não me convencem do contrário.

Em relação ao jogo... como disse o Ricardo hoje, valores mais altos se erguem e como tal não tive oportunidade de ver o jogo...

Em relação ao teu ponto 3, reddevil, já devias saber que é o Ronaldo quem define o 11 e as substituições.

Cumprimentos

João disse...

E que tal uma petição para tirar o #!"%"#%&"&#$ do Ronaldo da selecção?!

Jony

Pirlo disse...

Concordo com o António.
Há muito tempo que a selecção não me faz vibrar...

O que ganhámos desde que temos naturalizados? Exacto...

Fox disse...

1ª final no campeonato da Europa ?

Pirlo disse...

Sim Fox...já reparei que és do Sporting.

Manuel disse...

Eu sempre fiz questão de assegurar que percebo pouco ou nada de futebol, por isso convém manter esta ideia presente ao longo deste todo meu comentário.

Posto isto, numa análise desportiva resta-me apenas o bom senso... e será nele que me irei focar nos dois pequenos assuntos que gostaria de abordar aqui.

Eu não consigo encontrar nada de agravante no que toca a naturalizações de jogadores, desde que feita de forma ponderada e séria. Um jogador naturalizado, a meu ver até pode ter tanto (ou mais) valor que um outro jogador português qualquer. Quando me refiro a “outro jogador português qualquer” tanto posso estar a aludir a um Fernando Meira, Danny.. como a um Figo, Rui Costa e Eusébio.

Um jogador estrangeiro que venha para Portugal construir uma carreira e que ganha algum carinho pelos nossos costumes e cultura pode, mais tarde, vir a sentir-se mais Português do que estrangeiro. E está no seu direito!

Para um jogador representar Portugal interessa que se sinta Português, que tenha carinho e que sofra pelo País.

Perante isto, estarei obviamente a referir-me a um jogador que quando se transferiu do FCPorto para o Real Madrid, continuou a manifestar o enorme desejo de representar Portugal quando ainda nem sequer o seu processo de naturalização era um projecto.

Um jogador brasileiro sendo titular do Real Madrid tem todas as condições para representar a melhor selecção do mundo. Pelo menos, tem mais hipóteses que o Luisão.....

Ao refutar essa hipótese porque a sua vontade é representar um outro País(o nosso) ao qual se afeiçoou, Pepe merece todo o nosso apoio e as nossas boas-vindas!

Hoje vemo-lo a jogar como se fosse um português. Canta o hino e tem a raça, que outros que jogaram hoje não têm, de quem quer vencer os jogos pela aquela camisola.

Eu nunca fui contra a naturalização de Liedson e até mesmo de Deco, mas não têm o mesmo estatuto de “português” que o Pepe. O Pepe é tão Português como o Nélson Évora.. tanto por fora como por dentro. Já o Liedson e Deco desconfio que por dentro sejam mais amarelos...


Segundo ponto:

Por vezes, chego à conclusão (embora possa não estar correcto) que é bem mais fácil ser-se um grande jogador do que o melhor jogador do mundo.

Eu cá nunca gostei muito da Personagem Ronaldo e gosto de acreditar que ele não é exemplo da nossa cidadania, todavia reconheço todo o seu talento, sem dúvida.

Estando todos os holofotes virados para Ronaldo, por mérito próprio, torna-se perigoso dado que dá mais nas vistas e muitos irão querer abatê-lo.

Ronaldo está agora a saber o que é ser o Melhor do Mundo e talvez esteja a aperceber-se de que se calhar é preferível apenas ser um dos melhores.

Poderá também ser apenas um período de adaptação a este rótulo que ele ganhou este ano, a ver vamos...

Mas, não gostando eu muito desta Personagem afirmo aqui que não tenho memória curta. Sei que aos 24 anos já fez o que nunca ninguém fez por Portugal com a sua idade. O número de internacionalizações e de golos já efectuados pela selecção é obra... e um recorde.
Todos nós temos direito aos nossos momentos de baixo de forma.... até mesmo o melhor do mundo!

Por cá continuarei! Um grande abraço a todos!

triogalatico disse...

Bem Vindo ao Trio Galático Manuel!

Percebo o que queres dizer em relação ao Pepe. Eu próprio fiz referência a isso quando disse que ele sabia o hino melhor que o Capitão da Selecção.

Quanto ao Ronaldo concordo contigo.
Antigamente, quando Ronaldo fazia grandes exibições pelo Man Utd, ele era criticado por jogar mal na selecção. Agora que nem no seu clube ele joga bem, querem que o faça pela selecção?Não me parece.

Uma situação interessante era fazer um teste oral sobre a história de Portugal(perguntas fáceis, não exijo que ninguém saiba de o 2º rei da quarta dinastia, dinastia de Bragança, foi D.Afonso VI) a aos jogadores seleccionados por Queiroz... Ia ser bonito...

Cumprimentos

Ass: António (sei que estou na conta errada, mas não estou a conseguir mudar)

CR 9 disse...

Gostava de esgrimir uns quantos factos relativamente aos dois temas principais colocados em muitos comentários aqui presentes: naturalizações e o Cristiano Ronaldo.


Sobre as naturalizações...
... não devemos colocar o assunto na questão patriota, de que "só os nossos é que vivem as coisas de uma maneira mais genuína"! Até poderá ser verdade, mas penso que o problema não está aí. Aliás, por outro prisma podemos também argumentar que, em certas alturas, é preciso ter gente no balneário com cabeça mais fria, para que os desafios corram melhor. É uma argumentação que só por si não explica as naturalizações como é óbvio!

Questões como negócios entre empresários, gestões desportivas, levaram a uma crescente "desaposta" no jogador formado em Portugal. Isso toda a gente repara. Mas também toda a gente pretende para as suas equipas jogadores estrangeiros. Pergunto-vos a cada um de vós quais seriam os jogadores, tendo bolsos fundos, que podessem contratar no mundo inteiro? Provavelmente, seriam muito poucos os Portugueses de gema que quereriam colocar a sua selecção no seu clube de coração. Eu próprio, tenho reparado nisso noutros forúns. É óbvio então que também somos parte do problema. Mas somos sobretudo parte da solução!

Depois, digam o que disserem, o conceito de bom, muito bom e craque é um conceito por si só volátil demais. Depende imenso do tempo em que o jogador está na posse das suas faculdades físicas, mentais e técnicas. Por vezes, os jogadores sabem-se proteger, são esses os mais inteligentes e os que usam mais da táctica. Por isso mesmo é que penso que muitos jogadores nacionais, que tiveram as suas formações em Portugal e nas selecções jovens nacionais, poderiam ter tido mais oportunidades nos seus clubes e sobretudo na nossa selecção. Pena foi a necessidade e urgência com que precisámos de um meio-campo (tudo começou com o Deco, por exemplo!) para o euro 2004.

Reparem que um Hugo Viana, ou muito me engano ou não, penso que "morreu" futebolisticamente para a nossa selecção, quando era um dos mais promissores da sua geração. Num jogo entre selecções jovens, era visto como a estrela da companhia frente a uma Itália que tinha em Pirlo o seu trunfo. Vejam só o percurso de um e de outro nas suas selecções.

Há quem aponte que o mal foi a urgência com que Portugal de Scolari precisava de resultados. Há outros que dizem que havia interesses empresariais nas naturalizações (bem o caso do Pepe é para mim muito difícil de digerir...). Eu pessoalmente penso que não foram apenas os motivos anteriores que levaram aos seleccionadores Scolari e agora Carlos Queiróz a permitirem o uso de "naturalizados". Penso que ambos nunca souberam construir uma selecção com um estilo próprio, com uma identidade própria. Eu recordo da selecção Portuguesa do euro2004, e recordo-me de imensos jogos onde houve a tal ponta de sorte, houve também muita luta, mas houve sobretudo o efeito do 12º jogador, i.e., os Portugueses que apoiavam aquele grupo. Recordo-me, por exemplo, da dificuldade em penetrar em defesas bem organizadas, como foi o caso da Grécia. Recordo-me em não haver um plano B, para caso o resultado não nos satisfazesse. Recordo-me que o nosso ataque vivia da inspiração de um ou outro jogador, mais do que combinações entre atletas. Recordo-me que o futebol de ataque lusitâneo tinha um príncipio e um meio, mas o fim, o Pauleta, quase nunca tinha uma bola em condições para ele.

Frente à Dinamarca, na 2ª parte, viu-se perfeitamente a falta de um trabalho do seleccionador. É uma questão de competências, é uma questão de preparação, é uma questão de interesses e de oportunidades, são essas as questões da naturalização!

CR 9 disse...

Sobre o Cristiano Ronaldo...
... eu penso que o míudo tem sido vítima de um conjunto de personalidades que quiseram andar à boleia do jogador. À boleia CR9? Sim, à boleia. Numa altura em que o CR9 estava a efectuar uma época de sonho pelo Manchester United, logo a seguir ao mundial de 2006, ou seja, nas épocas de 2006/2007 e 2007/2008, o Scolari dá a braçadeira de capitão da selecção ao Cristiano Ronaldo. Ora como é o sonho de qualquer jogador profissional, CR9 aceita de muito bom grado. Qualquer um de nós aceitaria, por isso, não vale a pena negarem...

CR9 como capitão da nossa selecção iria modificar um pouco a opinião pública que tinha nele uma visão de um craque bastante jovem, com muita vaidade, com muito dinheiro, com muitas mulheres,... enfim, pouca responsabilidade. Ora isso é algo que a FIFA e a UEFA não gostam que os seus galhadoardos como melhores jogadores do mundo e da europa, respectivamente, tenham. Estes têm de ser modelos de humildade, de responsabilidade e de força de vontade. Força de vontade o CR9 tinha desde tenra idade. Humildade... bem, apesar de todos os excessos extra futebol que possamos comentar por parte do CR9, a verdade é que ele dentro e fora de campo, para os seus colegas e seus adeptos, mostra-se sempre acessível. Eu vejo isso. Faltava então a responsabilidade. Algo que a nossa selecção e mais tarde o Man Utd lhe deu, ao passar a ser o capitão de equipa.

Foi a meu ver um acto irreflectido, pois o CR9 ainda não estava (e ainda não está no ponto) para o ser.

Aliás, eu penso que o CR9 mais tarde ou mais cedo poderá ser o líder da nossa selecção, mas quando ele não conquista essa posição, não sente ganhar esse direito, as coisas descalabram para o mal caminho. Reparem que no Man Utd, ele ganhou esse título por mérito próprio, no terreno. Na selecção, foi lhe dado via bandeja! Há pois uma grande diferença.

Mas este episódio da braçadeira apenas foi mal para a nossa opinião pública.

O verdadeiro culpado, quanto a mim, para o desacerto exibicional do CR9, tem sido os seus seleccionadores. Ainda não houve um treinador que soubesse exponenciar as suas qualidades, como driblador e finalizador nato.

Eu defendo o uso do 4-1-2-1-2 por parte da selecção, mas não um esquema com médios sem capacidade de dar profundidade à equipa. Nesse contexto, e usando a imagem do Benfica, eu defendo o uso de uma táctica como aquela que o Jorge Jesus incutiu no Benfica. Com ela, poderiamos fazer bom uso da posse de bola, algo que muito nos caracteriza. Poderia-se falar num 4-3-3 como o Porto, e até poderia ser muito útil em certos encontros, mas este peca por termos que ser uma equipa demasiado de contra-ataque, a meu ver. O 4-2-3-1 é um pouco o melhor dos dois mundos, mas mesmo o 4-1-2-1-2 à la JJ poderá transformar-se num 4-2-3-1 se pensarmos que um dos avançados é um ponta-de-lança, o outro é mais móvel e existe um médio interior que na realidade é um extremo/ala de raíz. Com polivalência, Carlos Queiróz poderia ter o sistema dinâmico ideal para a selecção nacional, com um bonús: libertar ainda mais o CR9!

Hoje em dia, a selecção vive demasiado da inspiração do CR9 ou de outro extremo, quanto a mim sem necessidade. Muitas vezes critica-se o CR9 porque tenta a finta, mas se tivéssemos na posição dele, o que viamos? Viamos os nossos colegas por detrás dos adversários, sem se moverem, sem darem linhas de passes... então que faziam? Bem, restava-nos tentar a finta... mas não é isso que ele tem vindo a fazer, vezes sem conta?

Eu penso que é normal o rapaz ficar agitado. É fruto da frustação que tem para consigo e para com os outros colegas.

Mas, o verdadeiro culpado desta situação é sempre a equipa técnica, disso não tenham dúvidas.

mwm disse...

"Hulk admite jogar por Portugal

O avançado brasileiro assegura que a sua prioridade é chegar à selecção canarinha, mas não fecharia as portas a Portugal caso surgisse a possibilidade."

in SAPO Desporto » http://is.gd/37qR6

A selecção vai ser totalmente ownada por brazukas.

Enviar um comentário

 
Trio Galático. Design by Wpthemedesigner. Converted to Blogger Template by Anshul